quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Pescadores de sorrisos

Ônibus cheio de uma manhã qualquer, de uma semana comum, nada de especial. Sentei-me em um dos poucos lugares em que caibo, ter 1,93m não é fácil, tudo é pequeno, os joelhos esbarram no banco da frente, por isso prefiro lugares sem obstáculos ou poucas poltronas mais distantes da seguinte. Na minha frente um banco virado, esses em que as pessoas acabam sentando de costas para a rua.

Estava vago até que ela apareceu. Vestia uma blusa listrada, uma minissaia, óculos escuros, unhas vermelhas e cabelos negros presos em rabo-de-cavalo. Nos pés tinha uma sapatilha toda cheia de detalhes bordados. Era magra e baixa, ao menos para mim, sua pele alva, nem parecia morar sobre um trópico e seu perfume adocicado envolveu-me. Sentou-se e descansou os óculos sobre a cabeça, assim descobri seus olhos, um misto de azul e verde. Ela apoiou a bolsa sobre as pernas e a abriu. Pegou um pequeno vidro e ao tirar a tampa, vi que era um pincel, um batom, vermelho como suas unhas. Sem se importar com o balanço do veículo ela passou o batom com habilidade, extremamente sensual. Ao terminar, guardou o vidro de volta à bolsa recostou a cabeça sobre o vidro que estava ao seu lado e sorriu com seus lábios coloridos, enquanto olhava com seus olhos brilhantes um ponto perdido ao horizonte. Enigmático sorriso matutino de uma linda mulher, pescado por um curioso desconhecido que assim se manteve e provavelmente não terá o prazer de pescá-lo novamente.

Naldo Costa

[Este post está participando da história “
pescadores de sorrisos”, do Balaio Branco.]


Navegando pelos blogs de costume, achei um post interessante no Eu, eu mesma e Tine, que já tive o prazer de relatar outro post interessante dela, este que vi ontem, era sobre a nova história colaborativa do blog Balaio Branco, chamado Pescadores de Sorrisos. Visitei o Balaio, li as regras e contagiado com a idéia de pescar sorrisos resolvi participar também.

Lembrei-me desse episódio em que fiquei como garoto olhando a mulher a minha frente passar batom e depois sorrir pra ela mesma, alheia a minha observação coisa que me lembra Loni: “Garotos não resistem aos seus mistérios, garotos nunca dizem não, garotos como eu sempre tão espertos perto de uma mulher são só garotos”

Fugindo um pouco das regras, já que elas limitavam a pescar sorrisos de desconhecidos, achei oportuno pescar sorrisos de meus conhecidos também e alguns meus.

Ester, Vanessa, Marie, Hannah, Marcinha (saudades), Tati, Rogério, Marcela, Ester, Patrice e Ana



Assim como Tine, eu também tive alguns problemas com sorrisos, um dos meus caninos é sobre posto, “acavalado”, pois ele resolveu nascer quando eu tinha 10 anos, sei lá porque! Claro, isso virou motivo de piada. Outra coisa é a minha gargalhada. Passei a vida toda sendo repreendido por ter uma gargalhada alta e só me livrei desse complexo quando uma namorada me disse que adorava me ouvir gargalhar. Desde então resolvi deixar de lado qualquer falso pudor em manifestar meus sentimentos de alegria.

Tine escreveu:
“Você cresce e se pergunta por que o ser humano é tão cruel? E passa a incluir em suas orações o pedido de que nenhuma criança seja ridicularizada por sorrir. Porque sorrir é bom! Faz bem para o coração e para a alma!”

Infelizmente ainda temos muito a aprender, nesse mundo em que todos querem ser iguais e qualquer coisa diferente do que se espera é taxado de passível de se ridicularizar. Só posso dizer que somos cruéis e a todo o momento estamos tentando expiar nos outros as nossas próprias frustrações, por sermos incapazes ou incompetentes para assumirmos o quão ignorantes ainda somos para entender que só com amor existe felicidade completa.
Não sorrio muito e isso incomoda quem não me conhece, entretanto sorrio sim, mas, aprendi que meu sorriso vale tanto que só quem realmente importa pra mim terá o poder de fazê-lo se mostrar.

3 comentários:

Tine Araujo disse...

Achei lindo o seu texto e também as fotos por isso deixa o link lá nos comentário também. Como é bom sorrir :)

A página do post dele realmente não tá abrindo, e não me lembro do e-mail de cabeça. O que fiz para tentar adiantar, mandei o link do seu post por twitter!!!

Hoje a noite vejo se ele recebeu e/ou se a página abre!!!

Beijos e obrigada pela participação tenho certeza que o Rodrigo vai gostar!!!

Rodrigo Sax disse...

Olá. A história dos Pescadores de Sorrisos foi publicada! Olha lá!
http://www.balaiobranco.com.br/2008/08/pescadores-de-sorrisos-2/

Abraço,
Rodrigo

E. Lauffer Zerfas disse...

Sorri faz bem pra alma.
chorar faz bem aos olhos.
Sorrir pra si mesmo pelo simples prazer de viver, é um prazer q só quem esta sorrindo pode contar.
Sorri e rir com alguem é dividir a alegria e um momento que guardou no instante do sorriso.
As gargalhadas soltas, altas ou contidas - mas tem que ser vividas - no instante do prazer da felicidade polaroide.
Não, não tenha medo de sorrir mesmo que não haja dentes ou que tudo pareça dar errado.
Sorria, sua alma agradece!